Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Apaixone-se pela jardinagem!

Autor: Andréa Olionis Silva - Data: 15/06/2010
RSS

Através da história, os jardins têm desempenhado um papel proeminente.

O primeiro jardim: Jardim do Éden, o paraíso, projetado, desenvolvido, implementado pelos deuses. A beleza deste jardim era a verdadeira arte que se precisava para recrear a vista, enquanto os ouvidos estavam cheios de sons musicais feitos a partir de balanços das plantas causados pelo fluxo das águas e uma brisa suave.

Estima-se que o Egito e a Mesopotâmia como os primeiros locais onde os jardins foram criados.


Jardins da Babilônia
The city of Babylon Iconographic Collections Keywords: Robert von. Spalart

Grécia, Roma, China, Japão e em todo o mundo islâmico,foi dada grande importância para os jardins, cada um com seu conceito de civilização e de simbolismo, por exemplo: os muçulmanos inspiravam-se no jardim do paraíso que é prometido no texto sagrado do Alcorão, os chineses imitavam no jardím a própria natureza como um reflexo da filosofia do Tao, os gregos tinham um conceito religioso e funerário do jardim e, para isto, tinham as florestas e jardins dedicados ao culto, por sua vez, os romanos deram-lhe uma visão mais prática de recreação.
Expressões culturais dos jardins estiveram em auge durante os períodos renascentista e barroco, convertendo-se em complemento da arquitetura.


Jardim italiano

Na Europa, desenvolveram-se novos estilos como o italiano, que prevaleceu por muito tempo até que se impôs o estilo francês, e, posteriormente, o inglês de uma forma mais romântica e melancólica.


Palácio de Versailles

O jardim, como a arquitectura, música ou qualquer outro evento cultural, faz parte dos conceitos, estilos e expressões de vida.
A concepção e planejamento de um jardim leva em conta o fim a que ele se destina. Pode ser visto como um espaço para descanso e relaxamento, meditação e contato com a natureza, mas também, sob um ponto de vista muito mais prático, para a produção de plantas, frutas, legumes ou ervas.


Jardim Kerkenhoff

Ao longo da história os jardins têm variado não só em seus estilos, mas também em relação à espécie. A engenharia genética e o desenvolvimento de viveiros contribuiram para uma grande diversidade de variedades híbridas, adaptadas às exigências de design. Também o atual planejamento de um jardim ecológico, tendo em conta as plantas nativas da região, permite a gestão adequada da biodoversidade local.


Jardim aquático
Pixabay

O desenvolvimento de um jardim nos mantém em contato com a natureza, valorizando nosso local de vida, ou localidade, bem como nossa memória individual e coletiva, um fato que nos permite rejuvenescer, refrescar e revitalizar nossas vidas. Como o ritmo de vida no século XX se acelera continuamente, o jardim foi se tornando cada vez mais valorizado, despertando um novo interesse, durante o último quarto de século.


Jardim Tropical
Autor VillageHero from Ulm, Germany Jardim Tropical Funchal

Grandes nomes do cenário do século XX ,através da criação de estágios, seguem criando escola como Kathryn Gustafson, Schawarts Martha, Frank Lloyd Wright, Ted Smyth, Gilles Clement, Vladimir Sitta, Anthony Paul, John Brookes e Roberto Burle Marx. Roberto Burle Marx foi um artista brasileiro que alcançou renome internacional como paisagista. Viveu grande parte de sua vida no Rio de Janeiro, onde suas obras mais importantes estão localizadas, apesar de sua obra está espalhada por todo o mundo.


Aterro do Flamengo
Aterro do Flamengo foto de Pppires

Jardins grandes do mundo Bagh-e-Shazdeh (Irã), Majorelle (Marrocos), Gamberaria Villa (Itália), Castello Ruspoli (Itália), Versailles (França), Villandry (França), Portrack (Grã-Bretanha), Freyer (Bélgica) , Schwetzingen (Alemanha), Keukenhof (Holanda), Huntington (E.U.A.), Cypress Gardens (E.U.A.), Suzhou (China), Jardins de templos em Kyoto (Japão), Imperial Gardens, Tóquio (Japão), National Orchid Garden (Singapura), Ayrlies Garden (Nova Zelândia), o Passeio de Copacabana (Brasil), o Parque Brigadeiro Eduardo Gomes (Brasil) e Jardim Botânico de Maracaibo (Venezuela) e em todo o mundo os Botanical Gardens.

Visitar jardins pessoalmente ou em fotos é um passeio inesquecível.

O Jardineiro paisagista toma a flor pelo que ela é mas, ao mesmo tempo, transcende o seu trabalho como artista. Sair ao jardim é entrar em nós mesmos!

"Que a terra se cubra de verde, de relva e gere árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie, e que semeiem as sementes na terra. E assim foi." (Gênesis 1: 11-12)

Andrea Olionis Silva,nossa parceira no paisagismodigital, é brasileira, paisagista, exerce sua profissão na Espanha, com grande sucesso.
Contato:
deaolionis@hotmail.com

Leia também:

Por que jardim? Um pouco de história

Origem do Paisagismo


Compartilhar:



e-Book gratuito: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  

Comentários

07/07/2010 11:54:05

Que bom que você concorda! Mas toda discussão e troca de opiniões é válida e só nos enriquece, não acha?

05/07/2010 11:52:15

Paulo, o Jardim do Éden faz parte de várias tradições religiosas, notadamente da judaico-cristã. Penso que a autora, ao se referir a "deuses" deu amplitude para que possa se referir às várias denominações que são usadas para se referir ao "Grande Arquiteto do Universo". Deus, Jeovah , Alah...
Digamos que seja uma licença poética, não acha?

25/06/2010

Obrigada, e principalmente a ti Ida, era mesmo essa a ideia que comecem a se interessar,semear, o mais fica por conta de cada um , e Elenise, já está retificado , só queria explicarte, que esse artigo foi aqui pra Espanha, onde vivo, e aqui não se usa a terminologia paisagista , e sim arquiteto paisagista , e que no caso para dizer que Burle Marx era paisagista disse arquiteto paisagista, de qualquer forma era um mestre em qualquer area seja a que seja!!!!GRANDE BURLE MARX

22/06/2010

Obrigada, Elenise, pela valiosa informação. Vamos retificar.

22/06/2010

22/06/2010
Andréa uma aula de paisagismo. Quem souber aproveitar e quiser aprofundar conhecimentos nas dezenas de "ganchos" que você pontuou magníficamente, sairá com o conhecimento redobrado. Quanto ao Burle Marx, paisagista, artista plástico, joalheiro, azulejista, escultor, cantor lírico, cozinheiro, jardineiro, tapeceiro, e um grande amigo dos que de arte amavam e que entendiam esta linguagem tão sensível......e se considerarmos em uma definição de que, paisagismo é arquitetura do ambiente, podendo inclusive estar ou ser, com ou sem plantas. Sim, como não? Arquiteto paisagista, ou alguém tem dúvidas? Diploma Universitário concluído e CREA ?? Huuum ??!!Será?? Então, como ele com suas obras, livros, artigos, entrevistas, e moradia doada para prosseguirem, os estudantes de faculdade de arquitetura e urbanismo, entre outros profissionais, pelo país? Alguém que viveu numa época onde arquitetura se aprendia em escolas de Belas Artes e paisagismo não era o que é hoje, e só o é, inclusive, por ele. É minha visão bem pessoal.Ok? Ida Terron arquiteta e urbanista Nas Quatro Estações

21/06/2010

Gostei muito dareportagem, porém deveriam retificar a informação de que Burle Marx foi um arquiteto paisagista de renome internacional. Roberto Burle Marx era artista plástico e paisagista, mas não era arquiteto.


7 Visões
Mostre seus produtos para o público certo!


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!