Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Paisagismo: complexo de Inhotim - Jardim Botânico e Museu Contemporâneo

Autor: Regina Motta - Data: 12/11/2011
RSS

Localização: Na cidade de Brumadinho,MG, com 35 mil habitantes, localizada no Vale do Paraopeba que possui, além de belezas naturais, riquezas históricas e culturais.
O Instituto Inhotim foi idealizado pelo empresário Bernardo Paz em meados da década de 1980. Em 1984, o local recebeu a visita do renomado paisagista Roberto Burle Marx, que apresentou algumas sugestões e colaborações para os jardins. Desde então, o projeto paisagístico cresceu e passou por várias modificações.

Missão: Manter, propagar e propiciar estudos com o maior número possível de espécies botânicas, com ênfase em espécies ameaçadas, conservando recursos genéticos e dispondo tais espécies paisagisticamente, como forma de divulgar e sensibilizar sobre importância da biodiversidade vegetal para a sobrevivência humana.

A propriedade particular foi se transformando com o tempo. Começava a nascer um grande espaço cultural, com a construção das primeiras edificações destinadas a receber obras de arte contemporânea. Ganhava vida também o rico acervo botânico, consolidado a partir de 2005 com o resgate e a introdução de coleções botânicas de diferentes partes do Brasil e com foco nas espécies nativas.



Inhotim é um complexo museológico com sede em um campus de 97 ha, pontuado por uma série de pavilhões que abrigam obras de arte e por esculturas ao ar livre. O surgimento do Inhotim no cenário das instituições culturais brasileiras tem, desde o início, a missão de criar um acervo artístico e de definir estratégias museológicas que possibilitem o acesso da comunidade aos bens culturais. Nesse sentido, trata-se de aproximar o público de um relevante conjunto de obras, produzidas por artistas de diferentes partes do mundo, refletindo de forma atual sobre as questões da contemporaneidade.



Hoje, Inhotim é a única instituição brasileira que exibe continuamente um acervo de excelência internacional de arte contemporânea.

Graças a uma série de contextos específicos, Inhotim oferece um novo modelo distante daquele dos museus urbanos. A experiência do Inhotim está em grande parte associada ao desenvolvimento de uma relação espacial entre arte e paisagem, que possibilita aos artistas criarem e exibirem suas obras em condições únicas. O espectador é convidado a percorrer jardins, paisagens de florestas e ambientes rurais, perdendo-se entre lagos, trilhas, montanhas e vales, estabelecendo uma vivência ativa do espaço.



Novos projetos são inaugurados periodicamente, incluindo obras criadas site-specific para o local e recortes monográficos e temáticos do acervo, fazendo do Inhotim um lugar em contínua transformação.
Inhotim possui atualmente cerca de 70 obras em exposição, que se dividem entre trabalhos permanentemente instalados e aqueles expostos em quatro galerias, que abrigam mostras temporárias de longa duração: Fonte, Lago, Mata e Praça.

A proposta museológica do Inhotim compreende diferentes espaços expositivos. Muitas obras estão expostas ao ar livre, em meio ao jardim, imersas na mata, no topo de uma montanha, ou sobre um espelho dágua. Outros trabalhos se encontram em espaços fechados, exibidos individualmente em pavilhões construídos especialmente para abrigá-los, ou compondo mostras coletivas em grandes galerias. A coexistência de espaços abertos e fechados promove uma experiência singular de fruição da obra de arte.
Paisagismo:
Ainda que o paisagismo no Inhotim não possa ser enquadrado em um estilo único, alguns princípios podem ser observados. A preferência pelo uso de grandes maciços ou manchas de espécies é um dos princípios, que tira vantagem do efeito causado pelo agrupamento.



A surpresa como linguagem paisagística também é bastante utilizada, com curvas ou passagens que, subitamente, desfraldam novas perspectivas. Outro princípio é a busca permanente pela ampliação por vocabulário paisagístico, seja pela aquisição de novas espécies que possam ser usadas com sucesso no paisagismo, seja no uso de material que possa ser incorporado na concepção de jardins.



Hoje, a introdução de espécies pouco conhecidas nos jardins é também uma prioridade, visando à apresentação de espécies que, apesar da rara beleza, quase não são usadas em projetos paisagísticos. Desta forma, ainda que o paisagismo obedeça claramente a padrões estéticos, a variedade de espécies pode ser usada pela equipe de educação ambiental do Inhotim para sensibilizar os visitantes a respeito da importância da biodiversidade.

Por razões históricas, o acervo botânico do Inhotim é hoje melhor representado por grupos com valor paisagístico, mas apresenta uma boa representatividade filogenética. Ao todo, são mais de 4.700 acessos, representando 181 famílias botânicas, 953 gêneros e aproximadamente 4300 espécies de plantas vasculares. Tamanha diversidade faz do Inhotim um espaço único, tornando-o um excelente ambiente para a difusão de valores ambientais.

O Inhotim possui o que se acredita ser a maior coleção mundial de palmeiras, com cerca de 1500 espécies/híbridos/variedades, mais de 1800 acessos e um total de mais de 20000 indivíduos (entre plântulas e indivíduos adultos). Também expressiva é a coleção de Araceae, família que inclui de imbés a antúrios e copos-de-leite, com mais de 600 acessos, em cerca de 450 espécies. É a maior coleção viva dessa família no hemisfério sul. As orquídeas estão representadas por cerca de 420 acessos, em 334 espécies.

O acervo botânico mantido no Inhotim contribui para a conservação ex situ, já que mantém e propicia a replicação de um grande número de espécies, algumas delas já sob risco de extinção em seu habitat. Além disso, dentro da filosofia dos jardins botânicos, o Inhotim mantém parcerias com várias instituições e busca promover intercâmbio entre coleções, permitindo futuras etapas de reintrodução dessas espécies em ambientes naturais.

O levantamento oficial do acervo iniciou-se em janeiro de 2009, concomitantemente com o tombamento dos novos acessos. Os números do acervo botânico são (atualizados em maio de 2010):

Acessos: 4710
Ordens: 52
Famílias: 181
Gêneros: 953
Espécies: cerca de 4300

Famílias melhor representadas:

1º Arecaeae (1807 acessos)
2º Araceae (637 acessos)
3º Orchidaceae (420 acessos)
4º Bromeliaceae (129 acessos)
5º Fabaceae (124 acessos)
6º Acanthaceae (101 acessos)
7º Asparagaceae (97 acessos)
8º Heliconiaceae (89 acessos)

Projetos Ambientais:
Estudos da biodiversidade, Estudos de caracterização de ecossistemas do Instituto Inhotim , Levantamento das espécies de pequenos mamíferos,resgate de espécies vegetais, inventário herpetofaunistico de Inhotim entre outros.


Conheça Inhotim e orgulhe-se de termos um projeto tão inovador aqui no Brasil! Você vai se encantar!

fonte:www.inhotim.org.br

Você pode se interessar também por:
Paisagismo urbano: Bem estar para o homem e o planeta
O curioso jardim dos venenos de Alnwick Garden
Jardim pré-histórico
Origem do Paisagismo



Compartilhar:



e-Book gratuito: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  

Comentários

19/11/2011 10:37:28

concordo com você, Miguel Angelo Pandini, é lamentável que poucos brasileiros o conheçam, não é?

19/11/2011 09:20:47

Eu já estive neste lugar! É simplesmente fantástico!


7 Visões
Mostre seus produtos para o público certo!


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!