Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Meio Ambiente: A Corrente Pedagógica da descoberta

Autor: Jaime Vieira - Data: 26/01/2015
RSS

Surgiram na década de 60 as bases da Pedagogia da Descoberta, associadas ao nome do pedagogo norte-americano Jerome Bruner, defensor da aprendizagem prática e não teórica, com base na experiência do dia a dia. Por outras palavras: iniciou-se um conceito totalmente novo e revolucionário para a época, pois defendia-se uma aprendizagem partindo de aplicações práticas, para atingirmos conhecimentos teóricos, e não ao contrário como se fazia até aí.
Na Pedagogia da Descoberta pretende-se levar o educando a descobrir o que pretende ensinar: pretende-se igualmente uma aprendizagem pela observação e experiência pessoal, em oposição à memorização !
Assim, aprendemos a descobrir, ao mesmo tempo que aprendemos pela descoberta .
Como na Pedagogia da Descoberta é utilizado, sobretudo, o espaço exterior, que permite uma exploração da Natureza, a par da socialização com outros acompanhantes, é utilizada e permitida uma maior liberdade de movimentos e uma maior observação.
E tomamos um maior e melhor contacto com a Natureza através de todos os nossos cinco sentidos, pois cheiramos, vemos, tateamos e ouvimos o que nos rodeia.
Mas há mais: sentimos emoções, como ruídos assustadores ou cenas engraçadas, "sentimos" o vivo e o morto, e até podemos "farejar" o perigo !
E assim, entramos na Pedagogia da Descoberta, em que não descobrimos pelos conhecimentos teóricos adquiridos, mas sim pela pesquisa no terreno, pelo contacto com a Natureza, pelos estímulos que a observação direta nos oferece, com imediata interpretação pessoal.
E tudo isto será objeto de uma discussão em grupo, em fase posterior, o que nos permite uma melhor compreensão do comportamento e interpretação de cada elemento do grupo, e até a modificar a nossa interpretação inicial, se for caso disso. E, comparando as várias interpretações, permite-nos uma nova compreensão do estudo efetuado, permitindo-nos aprender a redescobrir o que julgávamos considerar já descoberto.
A educação ambiental é algo que vamos aprendendo naturalmente.

E, cada abordagem de um assunto, conduz-nos sempre a outra, e a mais outra, e assim sucessivamente. Quer isto dizer, que os estudos do ambiente são interdisciplinares, o que permite levar-nos , não só, ao processo da descoberta individual, mas igualmente à posterior discussão e interligação com outras perspetivas.
E a Pedagogia da Descoberta tem sido aplicada e desenvolvida em Itália, Alemanha e Inglaterra. Neste último país, o diretor do Field Studies Council, Tony Thomas, segue um método que envolve cinco fases:
Na primeira, o grupo dedica-se à descoberta do ambiente;
Na segunda, discute-se o observado;
A terceira, é dedicada ao estudo e investigação da informação recolhida;
Na quarta, analisa-se a descoberta; e, por último, temos a fase de debate, com troca de informação e conclusão do estudo.

Em Portugal, o Jardim Botânico já está aplicando o sistema da Pedagogia da Descoberta, com um espaço exterior que permite a observação da Natureza a professores e alunos.

Jardim Botânico de Lisboa - Portugal








E porque não pensarmos num espaço aqui na região do Vale do Ave, para iniciarmos, também, este projeto, contribuindo para uma melhor observação e interpretação da Natureza? Será que temos gente capaz de arregaçar as mangas e meter mãos à obra ? Penso que as gentes do Norte são capazes de mostrar a sua "garra" e fazer avançar este projeto.
Ficamos à espera!...


Jaime Vieira
(paisagista e fitopatologista)
Contactos: jaime.form@gmail.com

Você gostará também:
Os astros influenciam as plantas?
A água do mundo está acabando? Uma abordagem geral do problema
Florestas no Brasil, nativas e plantadas
Brasil: Berço das águas, rios compõem sua identidade
Umburana de cambão e a sobrevivência das abelhas
Jardins Terapêuticos: Um agradável recurso de cura
Metodologia para reflorestamento com árvores nativas
Ouro verde brasileiro - Um ilustre desconhecido relegado ao acaso
Jardim Botânico da Madeira - Portugal
Plantas nativas regeneram espaços contaminados em Portugal
Paisagismo urbano: Bem estar para o homem e o planeta


Compartilhar:



e-Book gratuito: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  

Comentários

27/01/2015 20:45:29

A interação com a natureza, sempre, é saudável. Quanto mais jovem se é quando desse contato, melhor para o indivíduo interagindo e trocando idéias a respeito; melhor, também, para a natureza que acaba tendo bem mais chances de ser respeitada e protegida.


Conteúdo gratuito para paisagistas inscreva-se no canal da AuE Software!
7 Visões
Mostre seus produtos para o público certo!


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!