Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Metodologia para reflorestamento com árvores nativas

Autor: Suzana de Mello Aleixo Machado - Data: 10/10/2013
RSS

Visando alcançar os objetivos propostos procuramos embasar o trabalho numa metodologia desenvolvida por Rodriguez (1994), Rodriguez ET al. (2004) e Leal (1995) que propõem a elaboração de um Plano Ambiental segmentado em três etapas, quais sejam: inventário; diagnóstico ambiental; prognóstico e propostas.


Na etapa de inventário procuramos angariar informações, dados e imagens e isso é feito no trabalho de campo. O Inventário Florestal é a base para o planejamento do uso de recursos florestais, e por meio deste inventário é possível a caracterização de uma determinada área e o conhecimento quantitativo e qualitativo das espécies que a compõe.
Para fazer o inventario geralmente usa-se a amostragem, porque ela é um processo rápido,eficiente e largamente utilizado, trata-se na realidade de uma ferramenta que permite avaliar uma porção representativa da área em estudo.
Na amostragem espécimes de plantas são coletadas, como angiospermas e pteridófitos, herbáceas, lianas, arbustivas e arbóreas. Os materiais coletados em nosso trabalho de campo são acondicionados em sacos plásticos (100L) e levados ao viveiro de mudas nativas para a identificação taxonômica.

Uma vez conhecida as características das espécies que se desenvolveram no local partirmos para a identificação das áreas a serem reflorestadas e usamos como critério o respeito às condições da topografia local, articulada com os preceitos da Resolução SMA - 08 de 2008, que fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas.

Consideramos que a área a ser reflorestada na propriedade neste momento restringe-se a 1 ha e com base no levantamento de campo definimos que a quantidade de mudas necessárias a implantação do projeto é da ordem de 1667 mudas/hectare, usando espaçamento 3 x 2. Com o espaçamento indicado pela norma, são plantadas 1667 mudas por hectare envolvendo, cerca de 100 espécies do ecossistema regional, cerca de 25% a mais do que é exigido pela Resolução SMA 08/2008.
Essa condição visa garantir que se houver mortalidade completa de alguma espécie ao longo do tempo, será mantido o mínimo exigido pela resolução que é de 80 espécies.
Contudo, ressaltamos que a lista de espécies apresentada não é definitiva e pode ser alterada, pois algumas espécies podem não estar disponível nos viveiros regionais, contudo a recomendação é que a substituição deva feita obrigatoriamente de uma espécie por outra do mesmo grupo ecológico, ressaltamos também que o fornecedor escolhido deve, obrigatoriamente, possuir e fornecer cópia da documentação exigida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ou seja, o RENASEM.
Essa documentação, junto com a Nota Fiscal em nome da empresa, passa a fazer parte integrante de Relatório Técnico ou Projetos de Reflorestamentos.
De qualquer forma, se houver alteração, esse segue o critério definido pela resolução SMA 08 de 2008, especialmente o critério definido no artigo 6° transcrito a seguir, com um grifo nosso.

Artigo 6º - Em áreas de ocorrência das formações de floresta ombrófila, de floresta estacional semidecidual e de savana florestada (cerradão), a recuperação florestal deverá atingir, no período previsto em projeto, o mínimo de 80 (oitenta) espécies florestais nativas de ocorrência regional, conforme o art. 8º e/ou identificadas em levantamentos florísticos regionais.
Considerando-se a proporcionalidade das espécies e indivíduos, recomenda-se que a disposição das mudas no campo deve obedecer a critérios ecológicos de acordo com as características sucessionais de cada espécie.
Recomendamos que o plantio seja feito usando o esquema alternado, onde cada muda de espécie não pioneira fica ao lado de uma pioneira, como as pioneiras apresentam crescimento rápido, em poucos meses devem fornecer o sombreamento necessário para a espécie não pioneira. O quadro abaixo ilustra o esquema proposto.



- Implantação do Projeto

É importante ressaltar a importância de avaliar as condições ecológicas da área antes de elaborar o projeto de plantio. Levar em consideração aspectos como fertilidade e estado de conservação do solo, presença de vegetação arbórea nativa remanescente na área ou nas proximidades, topografia, regime hídrico e tipo de atividade desenvolvida no entorno da área a ser recuperada.

- Roçada manual

Considerando que a área geralmente é coberta por gramíneas exóticas, como Brachiaria, é fundamental fazer o devido controle desta espécie. Silva Filho, em 1991, estudou a influência do plantio de 8 espécies sobre a regeneração natural em encostas na Mata Atlântica.
Brachiaria foi à espécie que mais dificultou o processo de regeneração natural. Piña - Rodrigues (1997) considera que o capim colonião (Panicum maximum) e outras espécies de gramíneas são o principal problema para recuperação de áreas degradadas, estas espécies competem com as árvores pelo espaço e recursos disponíveis à regeneração.
Após esta análise a conclusão que a limpeza da área deve, preferencialmente, restringir-se à roçada da vegetação herbácea e subarbustiva daninha, que pode competir com as mudas em busca de luz e de nutrientes. A matéria vegetal morta, resultante da roçada, deve ser mantida na área, formando uma manta protetora do solo, que servirá também como fonte de nutrientes e matéria orgânica.

A operação de roçada deve ser realizada manualmente com o auxilio de uma foice ou roçadeira costal, o mais rente possível do solo, se limitando, exclusivamente, às plantas invasoras. Para essa operação, o ideal é ter trabalhadores que conheçam a regeneração natural das espécies existentes, de modo a se ter uma menor possibilidade de eliminá-la, favorecendo assim o incremento da regeneração natural. Junto com a roçada pode-se abrir uma clareira para fazer o coroamento, que consiste em um circulo de aproximadamente 0,80 a 1,0m de raio ao redor da cova. Isso deve ser feito após o plantio e mantido até a muda pegar e começar a se desenvolver.



- Espaçamento / Coveamento / Adubação

A abertura das covas para o plantio deve ser feita manualmente usando cavadeiras. As covas devem ter as seguintes dimensões: 30 x 30 x 30 cm, com um espaçamento de 3,0 x 2,0 m no sistema alternado. A adubação será de 0,50 g /cova de superfosfato simples ou esterco curtido. A opção pelo plantio direto evita o revolvimento do solo e conseqüentemente diminui a oxidação do carbono orgânico ou emissão de CO2 para a atmosfera.

- Controle das Formigas Cortadeiras

Essa atividade consiste no controle e combate de formigas cortadeiras, em geral usam-se iscas granuladas, a razão de 10 g/m² de formigueiro e em dias não chuvosos e com baixa umidade relativa do ar, este procedimento deve ser realizado 15 dias após a roçada. A área de controle deve exceder em torno de 20% do total, a fim de se estabelecer um sistema de defesa. Havendo restrições ao uso de fungicidas, produto industrializado, em face da condição especial de parte do terreno recomenda-se fazer o controle das formigas seguindo a orientação das autoridades certificadoras das culturas orgânicas.

- Isolamento da área

O isolamento da área pode ser entendido também como uma forma de amenizar ou controlar possíveis fatores de degradação. A área deve ser devidamente isolada por cercas ou algum atributo natural que impeça o pastoreio de animais capazes de causar danos a áreas reflorestadas.

Recomenda-se que o isolamento seja feito com arame liso para evitar acidentes com espécies de fauna local e o primeiro fio de arame deve estar posicionado a cerca de 60 cm do solo para permitir que as espécies faunísticas se locomovam sem riscos de acidentes.

- Plantio das mudas

Não deve faltar água na fase inicial do plantio, portanto o mesmo deve ser efetivado em época chuvosa, a não ser que haja possibilidade de irrigação. As mudas deverão ser manuseadas sempre pela embalagem e nunca pelos ramos superiores ou pelo caule. As embalagens deverão ser retiradas antes do plantio, tomando cuidado para não desmanchar o torrão. As embalagens podem ser reutilizadas se em bom estado ou podem ser abertas no fundo antes do plantio, conservando assim, o torrão e raízes intactas.
Ao terminar o plantio, deve ser feito um coroamento e embaciamento ao redor da muda, com aproximadamente 80 cm de diâmetro. O colo da muda (zona que separa o caule da raiz) deverá ficar no nível da superfície do terreno, evitando amontoar terra sobre o caule (tipo vulcão). Todo material plástico ou outro tipo de embalagem da muda deve ser recolhido e destinado a um local apropriado.
Para facilitar a distribuição das mudas, elas devem estar separadas em lugares distintos, o mais diversificado possível, ou seja, sem repetição de espécies, de modo a facilitar a distribuição no campo e de maneira que seja mínima a possibilidade de se plantar duas mudas da mesma espécie uma ao lado da outra. O replantio deverá feito até 60 dias após o plantio, destinando-se para esse fim 10% do total utilizado no plantio.

Manejo da área após plantação

As seguintes medidas devem ser adotadas para assegurar a sobrevivência e o crescimento da vegetação e melhorar a estética área a ser recuperada: Plantar para enriquecer a diversidade de espécies; Promover o desbaste; Controlar a invasão de ervas; Repelir roedores ou outros consumidores de sementes e plantas na fase de implantação do projeto; Irrigar o local quando necessário; Corrigir a acidez do local e suplementar suas necessidades com fertilizantes; Cercar a área para evitar a entrada de animais de grande porte; Inspecionar as plantações para evitar o ataque de pragas e tomar as medidas necessárias a cada caso; Proteger a área contra incêndio. Após o plantio com as espécies indicadas neste laudo, um plantio de reforço deve ser planejado. Nesta segunda fase a mistura e a diversidade de espécies deverão ser aumentadas, visando criar uma comunidade vegetativa mais permanente.

- Espécies indicadas

Para subsidiar a escolha das espécies e atender as determinações da Resolução SMA-08, o ideal é pesquisar os levantamentos florísticos fitossociológicos de mata ciliar dos rios que compõe a Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos na região.
Na indicação das espécies levamos em consideração as características ecológicas do local a ser revegetado, bem como as exigências das espécies selecionadas, em relação à condição de desenvolvimento das mesmas a curto e longo prazo. Sintonizados com os conceitos e metodos adotados em biologia observar se há deficiências (baixa diversidade) nos fragmentos de vegetação localizados na propriedade. Por exemplo, a baixa variação do DAP (Diâmetro na Altura do Peito), da diversidade biológica e do porte das espécies identificadas no local mostra que em médio prazo a área não terá descendentes para dar continuidade à mata.



Por essa razão, o ideal é indicar um programa de reforço, com plantio em intervalos de tempo regular de espécies com dispersão zoócora (dispersão pelos animais) e anemocoria (dispersão pelo vento).











- MANUTENÇÃO DO PROJETO DE REFLORESTAMENTO

O sucesso de um projeto de plantio ou recuperação de uma área degradada depende essencialmente da aplicação correta das técnicas de implantação bem como da procedência das mudas e da manutenção do reflorestamento no pós-plantio.
Plantios abandonados podem resultar em altas taxas de mortalidade das mudas, resultantes do ataque de formigas ou outras pragas, da deficiência hídrica e de nutrientes, da infestação de trepadeiras e competição com gramíneas agressivas.
Para evitar esses problemas, recomenda-se a adoção de cuidados com a manutenção, sempre que o monitoramento indicar a necessidade. As principais práticas são as já mencionadas nesse laudo como, roçadas, coroamento, controle de formigas, desbrota, replantio e adubação.


A necessidade de práticas de manutenção diminui à medida que o plantio adquire a estrutura de floresta. Após alguns anos da implantação, a cobertura formada pelas plantas fornece um nível de sombreamento capaz de inibir a infestação por gramíneas, nesta fase os cuidados deixam de ser necessários.
A diversidade de espécies tem papel fundamental na sustentabilidade das florestas; quanto mais espécies forem plantadas nos projetos, com diferentes exigências ecológicas, menor a necessidade da aplicação de praticas de manutenção. A combinação de espécies de diferentes grupos ecológicos elimina a substituição ao longo do tempo de pioneiras por espécies finais de sucessão, alem disso, diminui a probabilidade de eventuais ataques de pragas florestais.
Uma das falhas mais graves de muitos projetos de restauração é o abandono da área de plantio à própria sorte. Orçar um projeto, sem considerar as atividades de manutenção, geralmente, leva a desperdício de investimento.

Assim, na primeira manutenção serão feitos os tratos culturais recomendados para os primeiros três meses após a implantação do projeto e serão continuados por mais nove meses. Dessa forma, nos 12 meses após a implantação, serão realizadas quatro campanhas de manutenção. As atividades de manutenção propostas compreenderão a roçada manual seletiva, adubação, desbrota, o coroamento e o controle de formigas cortadeiras.
Na segunda campanha de manutenção, no primeiro ano após a implantação, repetir-se-ão os mesmos tratos culturais, todavia agora com campanhas intercaladas por quatro meses, o que culminará num total de três campanhas. Recomenda-se uma nova avaliação aos 3 anos para detectar se a área em recuperação tem condições para sua auto-condução. Caso seja necessário a continuidade dos tratos culturais, devem ser feitos a cada 6 meses.
Estrada Iperó-Tatuí, km 04 - Iperó/SP - Cx.P.03 - CEP: 18560-970 fone/fax: 15.3266.1311/ cel: 7835.8233/ ID: 89*1551
arvoresbrasileiras@grupoaleixo.com/ suzanaaleixo@grupoaleixo.com
www.grupoaleixo.com


Se você precisa de mudas destas árvores, encontre aqui no site, pesquisando peçlo nome científico ou popular, clique na foto e veja informações e fornecedores.


Leia também:
Paisagismo e reflorestamento com Arvores Brasileiras: uma história de sucesso
Paisagismo e reflorestamento com plantas nativas: as mudas, onde estão?
Manual de plantio de árvores
Plante árvores: comece agora - Final
Plante árvores: comece agora! Parte 1


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  


Estão abertas as incrições para Cursos AutoLANDSCAPE em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.
Estão abertas as incrições para Cursos da VisualPLAN em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.
Estão abertas as incrições para Cursos PhotoLANDSCAPE em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55 (32) 3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!