Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Paisagismo com plantas nativas pouco conhecidas - Asteranthos brasiliensis

Autor: Pedro Ivo Soares Braga - Data: 12/01/2011
RSS

Com esse artigo começamos uma série onde traremos a luz do conhecimento a divulgação de plantas que tenham potencial paisagístico, mas que são pouco conhecidas.

Lecythidaceae Asteranthos brasiliensis Desf. -- Mém. Mus. Par. vi. (1820) 9. t. 3

A espécie foi citada pela primeira vez em 1820. Encontrada no Brasil (Amazonas), Colômbia e Venezuela.
O Asteranthos brasiliensis é uma espécie nativa do alto Rio Negro. Apesar de abundante, cresce apenas na floresta inundada ( Igapó), tendo se tornado rara com a ocupação humana.

Suas árvores alcançam cerca de 20 m de altura e ostenta vistosas flores amarelas. Sua corola é caduca e ao cair das plantas mãe impregnam as águas pretas do igapó ficando coberto de corolas com um colorido amarelo ovo muito chamativo.

Na Amazônia, eu pessoalmente conheço duas populações da espécie que ocorrem no igapó. A primeira ocorre em Santa Isabel do Rio Negro, no igapó que ocorre em um dos bairros da cidade. A outra população eu tive a oportunidade de observar na localidade Tapuruquara Mirim no rio Curicuriari próximo a São Gabriel da Cachoeira.





Área de ocorrência do Polygonanthos brasiliensis no Alto rio Negro, Estado do Amazonas



Acima de Santa Isabel podem-se encontrar, boiando no rio, flores delicadas de cor amarelo-clara com textura de papel crepom; são as flores caídas de Asteranthos bra-is Desf., um gênero da família Lecythidaceae que foi descoberto e coletado em 1785 pela Viagem Philosophica no alto Rio Negro, mas publicado apenas em 1820 pelo botânico francês René Louiche Desfontaines. Imagem da Biblioteca Nacional

Pedro Ivo Soares Braga
contato@orquiedasdaamazonia.com.br

Possui graduação em História Natural pela Universidade Santa Úrsula (1973), Mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1976) e Doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1982). Atualmente é professor Titular aposentado da Universidade Federal do Amazonas.
Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia - especialista na Família Orchidaceae, Biologia Floral, Fitogeografia - Fitossociologia, Conservação Ambiental, Estudos de Impactos Ambientais, Recuperação de áreas degradadas.

Você pode se interessar também por:

Plantas para paisagismo:Agapanto

Árvore Sagrada do Sertão: Árvore que dá de beber

Paisagismo com plantas ornamentais raras: Tillandsia creation

Plantas exóticas: Planta com cheiro de pipoca

Paisagismo com plantas ornamentais raras: Tillandsia Xerographica

Margareth Mee, a Dama das Bromélias, pesquisadora de nossas plantas ornamentais

Cultivo e demais tratos culturais de Orquídeas - Capítulo I

Plantas ornamentais em risco de extinção: Orquídea Cattleya eldorado Linden

Fatores que condicionam a distribuição das orquídeas no habitat

Cultivo e demais tratos culturais de Orquídeas: Capítulo 3"

Cultivo e demais tratos culturais de orquídeas: Capítulo 2

Plantas ornamentais: Árvore Canhão: árvore sagrada


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  

Comentários

01/02/2011 15:44:20

Maravilhoso esse artigo, alias o Ivo é mestre mesmo parabéns Martha Corrêa

15/01/2011 11:39:27

Ivo, é excelente a divulgação de informações específicas de plantas ornamentais de extrema beleza que podem ser utilizadas no paisagismo. Gradativamente poderemos transformar, inclusive junto aos produtores, a atual padronização de jardins que perpetua o uso das mesmas espécies de plantas.


Curso de Marketing Digital para Paisagismo
Mostre seus produtos para o público certo!
Destaque-se no mercado de paisagismo


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!