Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Horóscopo Floral: Flor de maracujá e seu signo

Autor: Regina Motta - Data: 03/07/2010
RSS

Nos dias que antecederam a escrita deste texto, eu fiquei imaginando se fosse convocado um plebiscito para que todos os brasileiros dissessem sim ou não às mudanças divulgadas pelo relator das alterações importantes da legislação ambiental brasileira. Mais precisamente, no Código Florestal Brasileiro, o Deputado Federal Aldo Rebelo, a ser votado no próximo dia 28.

Como seria fazer um país entender tais questões e argumentos: um lado os que querem a sua aprovação e mudanças e do outro lado, os que argumentam que está ainda pior do estava inicialmente proposto. Tudo isso sendo apresentado para as classes A, B, C, D e E, sabendo ainda, que, em todas elas existem uma parcela de pessoas que dependem de um lado e ou do outro.



Foto Alberto Ferrari

Se para os poucos brasileiros que estiveram acompanhando, bem ou mal, as modestas informações, seja pela mídia escrita, televisiva ou eletrônica, como no meu caso, que acompanhei a transmissão online da Conexão SOS Mata Atlântica, assisti a um programa de debate na Globonews onde estavam: o ambientalista, biólogo e ex-secretário-geral do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, o próprio Deputado Federal Aldo Rebelo, o agrônomo e diretor-geral do Ícone, André Nassar.
No programa foram intermediados pelo jornalista Tonico Ferreira.
Também recebo diariamente newsletters de várias fontes e reconheço que está muito difícil fazer todos compreenderem as entrelinhas do que debatem um lado com o outro, a vírgula aplicada nos artigos etc. E quando digo compreender, digo ir além.

Porém no site da campanha Exterminadores do Futuro, SOS Mata Atlântica todos poderão, querendo, informarem-se mais, além do que vou escrever. E devem fazê-lo. E conversar com muitos. Quanto mais os brasileiros se envolverem melhor. Afinal trata-se do que vamos preservar e do que vamos plantar para consumir, gerar exportações, e, cabe lembrar que informação nunca é demais.


Foto Alberto Ferrari

E também importantes informações através da Eco-agência Ambiental, com informações dos que nela foram citados, ou seja, do ex-ministro Carlos Minc, do Deputado Federal Aldo Rebelo, Paulo César Ventura Mendonça presidente da Unicafes, entre outros, mas insisto que: cada leitor deva procurar se informar ainda mais, persistir no acompanhamento de desdobramentos, mas principalmente, tomar iniciativas que julguem positivas para o Brasil.

O ex-ministro Minc foi taxativo, num ato do Rio de Janeiro com a presença de representantes do MST e da Via Campesina, da Fetraf/CUT (Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar) e da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura), além de dirigentes de diversas ONGs.

"Não aceitamos que o Código Florestal Brasileiro seja descaracterizado."
"A proposta de alteração do Código da bancada ruralista é ruim, vai provocar mais desmatamento no país e comprometer a realização das metas brasileiras assumidas na ONU de redução das emissões de CO2", disse o ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc.

Minc afirmou ainda que:" os ruralistas estão aproveitando alguns pontos do Código que ainda precisam ser aperfeiçoados para provocar pânico no setor, como se a atual lei inviabilizasse a produção agrícola."
"Estudos científicos mostram que é possível dobrar a produção no Brasil sem se avançar sobre novas áreas verdes", afirmou. Coordenador da Fetraf e presidente da União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária o Rio de Janeiro (Unicafes), Paulo César Ventura Mendonça, afirmou ser importante "juntar a sociedade do campo e da cidade para defender o Código Florestal e uma produção sustentável."



Foto Alberto Ferrari
Eu amo esse Planeta. Digo isso há mais de 45 anos. Não posso imaginar nada mais lindo, mais perfeito e sincronizado, juntamente com mesma admiração, a do corpo humano.

Eu amo o Brasil. E quando assisto imagens das últimas chuvas em Pernambuco e Alagoas. Digo que não vi mata ciliar ao longo do rio, vi apenas casas, área urbanizada e muita área desmatada.

E essa é uma das questões que me deixa mais insegura com as mudanças propostas. Ou seja, deixar as responsabilidades para os estados e seguidos das cidades. Mas como um único rio que atravesse três ou quatro estados pode sofrer com 3 ou 4 legislações diferentes...?

Passar para as cidades em seus planos diretores? Penso que seria, em muitos casos, o mesmo que passar para lobos vestidos de ovelhas. Ou adequar leis certas para pessoas inadequadas e gananciosas gerenciarem.
Pude ver que: o texto apresentado por Aldo Rebelo atribui mais autonomia aos estados para legislar sobre meio ambiente, retira a obrigatoriedade de reserva legal para pequenas propriedades e prevê que as áreas atualmente em uso para produção rural serão consideradas espaço consolidado da atividade agrícola.
O Deputado falou na TV que, se um proprietário de uma gleba ou uma determinada área, que tenha dois córregos na mesma, ele não tem onde plantar, ou criar, pela faixa de mata que, esse homem do campo tem de respeitar, por isso passar de 15 para 5 metros a faixa de proteção. Mas...Se uma pessoa tem dois córregos na área, o problema é que a área que a pessoa tem é pequena para o que ele quer plantar ou criar. E não o inverso. Ter córregos numa propriedade não é o problema, além de ser uma riqueza, o problema real são as dimensões da área, para o destino a ser dado: plantio ou pasto.
E o debate continuou na TV, mas não vi, em outros programas na TV, além da candidata à presidência Marina Silva, tocar nesse assunto. Defender uma posição de resistência às alterações.
Os partidos políticos: PV, PSOL e o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União divulgaram notas técnicas na quais criticam o parecer de Aldo Rebelo. A avaliação dos dois partidos e da entidade é que o texto representa um retrocesso na proteção ambiental.

O presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, O Deputado Federal Sarney Filho (PV-MA), afirmou que a bancada ambientalista vai usar de todos os recursos legais e regimentais para evitar que a proposta seja votada antes das eleições.

Esse parlamentar, que vai apresentar voto em separado, considera mais adequado votar o parecer após as eleições de outubro. Sarney Filho alerta para o risco de a disputa eleitoral prejudicar a discussão do tema.
Já para o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Deputado Federal Valdir Colatto (PMDB-SC), "a proposta deve ser votada antes das eleições. Ele afirmou que a mudança do Código é um pedido da sociedade, e o Congresso assumiu o compromisso de votá-la."
Então pergunto: A sociedade pediu?

Se ele disse isso mesmo, noticiado em TVs e Internet... Penso que seja uma parcela da sociedade brasileira somente, a que ele se refere. Então caio no começo das minhas reflexões referidas no início deste artigo: imagino como seria se fosse convocado um plebiscito...

Eu penso que poucos sabem a respeito e da importância dessas mudanças que querem fazer.

Então faço mais um exercício de criatividade e imagino se fosse possível criar um único Blog, rapidinho, para condensar todas as opiniões, informações, e lançar as palavras ao vento........Todas as ONGs, Institutos, Agências, Grupos etc., num único Blog, e os internautas pequenos, médios e grandes, buscando e participando até o próximo dia 28, e para depois.........torná-lo um canal freqüente, para acompanhar e aderir a esse debate e transformar as palavras em ações..
Isso é usar a Internet a favor do Brasil.
Não penso que nós temos apenas quatro anos para se tornar irreversível o caos ambiental nesse planeta, mas o que estamos fazendo dia-a-dia sim.
O homem está em guerra com a natureza, por ignorância, ganância e por ser mal agradecido, durante toda a sua história. Ou pior, deixando de fazer o que precisa, agora, consciente, sem desculpas, certo?

Eu amo esse planeta e não consigo imaginar nada, nada, nada mais lindo.
Eu amo o Brasil.
E você? Irá se informar mais? Irá buscar nos canais citados e em outros canais de divulgação e trazer mais informações para todos os brasileiros se posicionarem num assunto tão importante, e em tão curto tempo para fazê-lo?

contato:
nasquatroestacoes@gmail.com.br

Leia também:

Marketing verde: modismo ou compromisso

Paisagismo e reflorestamento com plantas nativas: as mudas, onde estão?

Biopirataria - Levam nossas plantas nativas, nossos animais, e não fazemos nada!

Mata Atlântica - Reserva da Biosfera

biomas Brasileiros e Paisagismo

Qual a sua opinião sobre o Água Boa?

Bioma Pampa e Projeto Agroppampa


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  


Curso de Marketing Digital para Paisagismo
Mostre seus produtos para o público certo!
Destaque-se no mercado de paisagismo


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!