Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Fatores que condicionam a distribuição de Orquídeas no habitat

Autor: Pedro Ivo Soares Braga - Data: 20/09/2010
RSS

ECOLOGIA

A família das orquídeas teve o seu maior desenvolvimento nas áreas tropicais e a maior parte das espécies adaptou-se ao hábito epífito. As relações delas com hospedeiros e as adaptações para que pudessem viver como epífitas neles são muitas.

FORÓFITOS
São considerados forófitos aquelas árvores ricas em epífitas, que possuem: estrutura da casca grossa e fendida; retenção de umidade; nutrientes disponíveis; acumulam humos; não possuem produção de substância alelopáticas (que inibem a germinação de outras sementes) e tipo de arquitetura (disposição dos galhos e penetração de luz).

Na Amazônia brasileira, temos como exemplo a Bertholletia excelsa, a Castanheira, a Hevea brasiliensis, a Seringueira, a Ceiba pentandra, a Sumaumeira e a Aldina heterophyla, o Macucú, entre muitas outras Em um trabalho que participei com Jefferson da Cruz no Campo Petrolífero do rio Urucu, Município de Coari, no médio Solimões, de 86 árvores pertencentes a 63 espécies, 16 espécies foram consideradas forófitas.
Nesses trabalhos, (CRUZ e BRAGA, 1976 e 1997) identificamos 29 espécies de orquídeas.

Os estudos ecológicos existentes costumam relacionar a ocorrência das orquídeas com o tipo de clima, vegetação, altitude, altura no interior da floresta, e espécie de árvore hospedeira.

A existência de um gradiente microclimático vertical dentro da floresta onde a intensidade luminosa, temperatura e circulação atmosférica aumentam no sentido solo-dossel, é irrefutável. Esse gradiente não é constante e varia de um local para outro, devido à estratificação irregular das árvores e às diferenças específicas e individuais na densidade de suas copas. A interceptação de chuva também varia diretamente com a densidade das copas, além de depender, como é óbvio, do total de precipitação. Esses e outros fatores influenciam enormemente no padrão de distribuição espacial dos indivíduos de uma população.

A fim de que possamos entender a ocupação dos diversos habitas, precisamos mencionar as várias adaptações e os fatores que interagem:



1) As sementes das orquídeas são muito leves e são facilmente transportáveis a grandes distâncias pelo vento e pela água. Isso não só ajuda à dispersão das sementes, como também permite que as plantas se estabeleçam em habitats bastante específicos, em lugares precisos e árvores determinadas.

2) As sementes dessas plantas são muito sensíveis aos fatores físicos e químicos. Entre os físicos citamos: umidade relativa do ar, intensidade luminosa, arquitetura das árvores e tipos de substratos. Entre os químicos destacamos: os nutrientes disponíveis, substâncias alelopáticas e pH.
Dentro de uma determinada comunidade os gradientes microclimáticos são bem evidentes. Podemos então dividir as plantas, quanto à sua necessidade de luz, em: umbrófilas as que crescem no chão e nos troncos das árvores; semi-heliófilas as que crescem margeando a vegetação ou nos galhos; e heliófilas as que crescem em pleno sol.

3) Uma das características dessa família é a ausência de endosperma nas sementes e para que o desenvolvimento das plântulas tenha pleno êxito, é necessária uma relação de simbiose entre essas e os fungos do gênero Rhizoctonia.

4) Com o epifitismo, a obtenção de nutrientes, bem como o suprimento de água tornaram-se críticos. A fim de que o balanço hídrico fosse mantido, foram necessárias adaptações xerofíticas como: velame, pseudobulbos, folhas carnosas e metabolismo ácido crassuláceo (C.A.M.) em muitas dessas epífitas.
Para que o suprimento de minerais ocorresse, adaptações como o grande número de raízes, rizomas e pseudobulbos permitiram que material orgânico se acumulasse entre eles, ocorrendo assim à formação do que se chama de húmus. Não podemos nos esquecer também da grande importância das formigas do gênero Azteca e outros animais que fazem os seus ninhos na base destas plantas, acumulando muita matéria orgânica.

O suprimento de nitrogênio nessas plantas ocorre pelas chuvas ou pelas gotas de água que pingam das folhas depois de uma chuva, em forma de amônia. Essas gotas de água contêm três vezes a quantidade de NH3 encontrado na água da chuva.
No quadro que se segue reunimos os fatores que afetam a distribuição de orquídeas



Esperamos com esse artigo ter contribuído para ilustrar como as orquídeas ocupam os nossos ecossistemas e as especificidades que possuem de habitat, o que faz com que possa ficar vulnerável a extinção.



Pedro Ivo Soares Braga

contato@orquieasdaamazonia.com.br


Possui graduação em História Natural pela Universidade Santa Úrsula (1973), Mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1976) e Doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1982). Atualmente é professor Titular aposentado da Universidade Federal do Amazonas.
Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia - especialista na Família Orchidaceae, Biologia Floral, Fitogeografia - Fitossociologia, Conservação Ambiental, Estudos de Impactos Ambientais, Recuperação de áreas degradadas.

Mais informações sobre Orquídeas , consulte o site http://www.orquideasdaamazonia.com.br



Clique no banner do TopBlog acima e vote em nosso Blog para o Prêmio em sustentabilidade

Você pode se interessar também:

Do sexo das plantas ao fruto

Como as plantas atraem os animais

Conheça plantas que atraem beija-flores para seu jardim !

Solos e flores: aprenda e escolha as plantas certas

Relação entre as plantas e a fauna

Jardim pré-histórico


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  

Comentários

30/09/2010 10:57:34

Concordo plenamente com a opinião dos comentaristas! Vamos torcer para que o Pedro continue nos brindando com os seus conhecimentos que enriquecem nosso site. Já temos uma próxima matéria, aguardem!

30/09/2010 09:44:24

Tão tem uma maneira de melhorar a ilustração, está muito difícil de ler?
E podemos sugerir ??? Pessoas como o Pedro deveriam pelo menos, 1 vez ao mes. Sair um artigo. E na minha opinião isso é pouco. Esse blog merece porque só tem gente legal .
Obrigada. Me desculpem a sugestão sem permissão. Mas pense que é uma reevindicação.
Pedro já !!

30/09/2010 09:37:57

Pedro que artigo preciso e precioso.
Não podeparar nesse não. Com os conhecimentos que vc possui compartilhar sobre a flora numa comunidade com a do paisagismodigital é um bem nacional, aprimorar o conhecimento dos profissionais e esclarecer os que ainda são leigos , mas que podem ser mais um elo nessa corrente dos que dão parte do tempo de suas vidas num tocar nas flores, mexer coma terra, ler bons artigos, projetar e ....enfim,nossa tanta coisa.
Não pare nesse. Por favor. Seus conhecimentos compratilhados dá acesso demograticamente para todos. E isso é o melhor. Não é?
Orquídeas estão cada vez mais sendo uma paixão nacional, e como isso é importante.
Um grande abraço, fica em paz e bem.
Mais uma vez paisagismodigital traz qualidade para esse blog. Que coisa boa.

29/09/2010 18:31:00

Pedro que bom conhecer seu trabalho com as orquídeas, gostaria de saber a respeito do cultivo caseiro.
Sou apaixonada por elas e tenho aprendido todos os dias um poquinho como cultiva-las nas árvores de jardins nos condomínios e residências.
Abraços
Viviane Bouzada


Curso de Marketing Digital para Paisagismo
Mostre seus produtos para o público certo!
Destaque-se no mercado de paisagismo


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!