Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Buriti, a palmeira das veredas!

Autor: Rômulo Cavalcanti Braga - Data: 04/10/2012
RSS

BURITI (Mauritia flexuosa)
. Nome Científico: Mauritia flexuosa
. Nome Popular: Buriti, buritizeiro, palmeira-dos-brejos, carandá-guaçu
. Família: Arecaceae
. Divisão: Magnoliophyta
. Origem: América do Sul
. Ciclo de Vida: Perene


O buriti é uma das mais singulares palmeiras do Brasil. Mais do que isso, nas regiões onde ocorre, o buriti é a planta mais importante entre todas as outras, de onde o homem local, herdeiro da sabedoria dos indígenas nativos, aprendeu a retirar parte essencial de seu sustento.
O buriti é uma espécie abundante no Cerrado e um indicativo infalível da existência de água na região. Como o Cerrado é rico em água, lá estão os Buritis, emoldurando as veredas, riachos e cachoeiras, inseridos nos brejos e nascentes. A relação com a água não é à toa. Ao caírem nos riachos, os frutos de seus generosos cachos são transportados pela água, ajudando a dispersar a espécie em toda a região.



Os frutos também servem de alimento para cutias, capivaras, antas e araras, que colaboram para disseminar as sementes.
Na natureza, tudo funciona na base da cooperação mútua. Os buritis também embelezam a paisagem do Cerrado e são fonte de inspiração para a literatura, a poesia, a música e as artes visuais.
Os cachos carregados de frutos e as folhas de que necessita, são apanhados lá no alto, cortados no talo com facão bem afiado para não machucar a palmeira.
Depois disso, o experiente sertanejo pula, usando as largas folhas do buriti como se fossem pára-quedas, pousando suavemente na água.
Para o homem, o buriti também é muito generoso. Seu fruto é uma fonte de alimento privilegiada.
Rico em vitamina A, B e C, ainda fornece cálcio, ferro e proteínas. Consumido tradicionalmente ao natural, o fruto do buriti também pode ser transformado em doces, sucos, licores e sobremesas de paladar peculiares.
O óleo extraído da fruta tem valor medicinal para os povos tradicionais do Cerrado que o utilizam como vermífugo, cicatrizante e energético natural.
As substâncias do buriti também dão cor, aroma e qualidade a diversos produtos de beleza, como cremes, xampus, filtro solar e sabonetes.



Com as folhas crescidas - ou palhas, como diz o homem regional -, com suas fibras e com seus brotos, pode-se fazer de tudo: a carroça de vedar chuva, o tapiti de espremer massa de mandioca, o paneiro de empaiolar farinha, uma gradação de balaios... as esteiras, as mantas, as redes de dormir, as cordas, as urupemas, os abanos e chiconas de carregar galinha. Também é utilizada na cobertura de casas - telhados.
Geram fibras usadas no artesanato, tais como bolsas, tapetes, toalhas de mesa, brinquedos e bijuterias. Os talos das folhas servem para a fabricação de móveis. Além de serem leves, as mobílias feitas com o buriti são resistentes e muito bonitas. As folhas jovens também produzem uma fibra muito fina, a seda do buriti, usada pelos artesãos na fabricação de peças feitas com o capim-dourado.
Do buriti, se aproveita tudo. Até o nome, emprestado a milhares de lugares, estabelecimentos e até embarcações que levam a fama da palmeira por todos os lugares.



Cultivo - Esta palmeira é propagada por sementes, que perdem o poder germinativo em poucas semanas; contudo, as sementes recém-colhidas alcançam 100% de germinação, que ocorre aos 75 dias.
A produção do buriti é anual e em indivíduos femininos ocorre a cada dois anos, no final do período chuvoso. O número de inflorescência ou de cachos com frutos varia de 5 a 7 por planta por ano, com cerca de 400 a 500 frutos por cacho.
A floração ocorre de abril a agosto, frutificando após 9 meses.
É uma palmeira que aprecia locais ensolarados, clima quente e necessita de terrenos ricos em matéria orgânica e levemente úmida. Para plantar, abrir uma cova grande, mais larga que funda maior que o torrão da muda.
Como ela corre em áreas de brejo, pede regas mais frequentes. Colocar adubo de curral curtido, cerca de 3 litros/ cova, acrescido de adubo granulado formulação NPK 10-10-10, cerca de 300 gramas. Misturar com composto orgânico antes de colocar o torrão. Regar a cova antes do plantio.
Colocar o torrão, adicionar mais composto orgânico e colocar os tutores em número de três, amarrando com cordão de juta para manter no lugar. Regar todos os dias, inclusive o ponteiro da copa todos os dias por, pelo menos, 10 dias após o plantio. Para cultivá-lo em terreno seco deve receber muita água na sua fase juvenil.

Contato: romulocbraga@uol.com.br
Você vai gostar também de:

Bambu, astro do paisagismo, construção e sustentabilidade
Cultivo de Bromélias e Tillandsias no Brasil
Plantas ornamentais: Cactos do Brasil
Árvore sagrada do sertão: árvore que dá de beber
Cerrado: biodiversidade ameaçada e paisagismo
Palmeiras em paisagismo: Phoenix recinata
Pau-rosa, perfume Chanel e Marilyn Monroe
Árvores: Essenciais e espetaculares em Paisagismo


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  


Estão abertas as incrições para Cursos AutoLANDSCAPE em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.
Estão abertas as incrições para Cursos da VisualPLAN em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.
Estão abertas as incrições para Cursos PhotoLANDSCAPE em parceria com Centro Paisagístico Gustaaf Winters.


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55 (32) 3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!