Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Algas marinhas, substrato para bromélias e orquídeas

Autor: Rômulo Cavalcanti Braga - Data: 17/11/2014
RSS

Ao se deparar com o título acima, o leitor com certeza há de pensar: Como poderei utilizar os filamentos de plantas aquáticas, provindas do mar para servirem de substrato em minhas Bromélias e Orquídeas?
A primeira questão que surge em nossas cabeças é exatamente a excentricidade de se utilizar produtos tão distantes da nossa realidade em ocasiões tão corriqueiras, como cultivar plantas sadias e viçosas, ou mesmo estimular o enraizamento rápido de um bulbo.
A todo momento surgem novas idéias de reaproveitamento de resíduos abundantes na natureza. Tem sido assim com o caroço do Açaí, a fibra e mesocarpo do Coco, o Sfagno, Casca de Pinus, Piaçava, Carvão Vegetal e mais recentemente com as Algas que são abundantes nas praias do Nordeste.



Quando olhamos a história da humanidade, percebemos que todos, ou quase todos os tratos culturais que empregamos em nossas plantas, foram baseados em observações de fenômenos da natureza, ou através de tentativas e erros.
Por exemplo: O historiador grego Heródoto, quatrocentos e cinquenta anos antes de Cristo, já relatava produtividades excepcionais obtidas pelos habitantes da Mesopotâmia, provavelmente resultante das enchentes dos rios que traziam água e nutrientes.
O filósofo grego Teofrasto (372 / 287 AC) recomendava o uso abundante de estercos em solos rasos, pois observava maior produtividade nas plantas de cevada.
Atualmente, podemos citar o uso do Calcário que tornou-se viável devido a observações e pesquisas, em que se notou que o bioma do Cerrado e da Caatinga possuem caráter ácido, associado à presença de alumínio e manganês em concentrações tóxicas. Além de solos com baixo teor de cátions de caráter básico como o cálcio e magnésio, então por que não acrescentar carbonato de cálcio e magnésio em nossos solos?
Hoje este é um dos tratos culturais mais importantes e limitantes para desenvolvimento da maioria das nossas culturas.
A partir destas observações, a agricultura mundial procura sempre produtos e processos que baseados no passado e com incrementos tecnológicos possam se tornar importantes para o desenvolvimento dos vegetais.



Assim é o caso das algas marinhas da espécie Ascophyllum nodosum, elas vivem em regiões do globo terrestre onde existe o fenômeno das marés altas, em que a variação entre marés altas e baixas no mesmo dia podem chegar a oito metros. Com isso, as algas desenvolveram ferramentas para sobreviverem parte do dia submersas em águas frias e parte do dia sobre as pedras expostas ao sol quente.
Estas ferramentas abrangem diferentes grupos de substâncias, sendo elas fitohormônios naturais, vitaminas, aminoácidos livres e polissacarídeos funcionais, que são substâncias de extrema importância para o cultivo de plantas agrícolas.

Estas características foram descobertas há centenas de anos por agricultores das regiões de ocorrência natural das algas - Irlanda, Inglaterra e Escócia - onde observaram que as lavouras onde eram depositadas as algas sobre solo, formavam plantas vigorosas e produtivas.
Com o advento de pesquisas mais detalhadas, constatou-se que esta variação ambiental causada pelas marés servia como estímulo para as algas produzirem estas substâncias. Estas algas vivem fixas em bancos rochosos que sofrem erosões diariamente, liberando lentamente minerais na água. Com isso, o extrato de algas marinhas apresenta mais de sessenta nutrientes em sua composição natural, dentre eles alguns macro nutrientes como o cálcio, potássio, magnésio e enxofre e micronutrientes como o boro, manganês, ferro, cobre e zinco.



Outra característica peculiar destes vegetais marinhos é a alta concentração de Alginato um polissacarídeo que compõe a estrutura da parede celular das algas, que faz com que elas armazenem água nas células e permaneçam hidratadas por todo o período que passa exposta ao sol.
O Alginato, ao ser empregado no solo, desempenha o mesmo papel de reter água e agregar as partículas do solo, proporcionando um ambiente ideal para o desenvolvimento das raízes e absorção dos nutrientes. Também é considerado uma rica fonte de carbono para a microfauna do solo, a qual é considerada a VIDA do solo.



Outra característica muito interessante desenvolvida ao longo dos processos evolutivos, é a produção de antioxidantes, substâncias produzidas a partir do metabolismo secundário - metabolismo que não é essencial para a sobrevivência da alga - para protegê-la da exposição a raios solares (uva) e exposição ao ar. Estas substâncias podem ser relacionadas com os betacarotenos (presente na cenoura) ou as antocianinas (presentes na Uva e no Açaí) que, ao serem empregadas na agricultura, estimulam a proteção natural dos vegetais contra pragas e doenças.


A principal característica das algas marinhas está na presença de pequenos aminoácidos, precursores de hormônios vegetais e a presença dos próprios fitohormônios, tais como: Auxinas (hormônio do crescimento, divisão celular), giberelina (floração, alongamento celular), citocininas (hormônio da juventude, retardamento da senescência).
A presença destes fitohormônios, aliados a presença de nutrientes e todas as outras características já listadas acima, nos permitem entender o porquê das observações e conhecimentos adquiridos pelos sábios agricultores dos Mares do Norte.
Hoje em dia, estas algas são coletadas manualmente em fazendas marinhas com certificação orgânica nos países de origem. São processadas através de tecnologias que não utilizam produtos químicos e sim processos físicos em baixas temperaturas, o que permite extrair todos os componentes presentes na alga, sem que haja degradação e perda de qualidade.
As técnicas agronômicas nos permitem manejar as plantas para diversos fins. Uns para produção de lindas flores, outros para produção de gramados fechados e funcionais, outros para alta produtividade de grãos. Seja lá qual for a função, precisamos sempre de plantas sadias e vigorosas e, para isso, temos que lançar mão de manejos e insumos funcionais. Desta forma, posso ver o extrato de algas marinhas, como uma nova ferramenta, eficaz e interessante para promoção do enraizamento rápido e sadio nos vegetais.

contato:romulocbraga@uol.com.br

Você gostará também:

Plantas ornamentais:Orquídea Cattleya- Grupo 1
Plantas ornamentais: Begônia
Principais espécies de Bromélias - 2
Principais espécies de Bromélias
Cultivo de Bromélias e Tillandsias no Brasil
Bromélias
Margareth Mee, a dama das bromélias, pesquisadora de nossas plantas ornamentais
As bromélias e a dengue
Fatores que condicionam a distribuição das orquídeas no habitat
Cultivo e demais tratos culturais de Orquídeas - Capítulo I
Cultivo e demais tratos culturais de orquídeas: Capítulo 2
Cultivo e demais tratos culturais de Orquídeas: Capítulo 3"
Orquídeas: O Eldorado da Amazônia


Compartilhar:



Guia: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  


Curso de Marketing Digital para Paisagismo
Mostre seus produtos para o público certo!
Destaque-se no mercado de paisagismo


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!