Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

O desafio de entender e conhecer melhor as plantas

Autor: Regina Motta - Data: 22/09/2016
RSS

Cientistas de todo o mundo dedicam-se à pesquisa do mundo vegetal e, a cada passo, descobrem que as plantas têm vários níveis de sensibilidade e auto-conhecimento. É um mundo de muita vida e capacidades que ainda estão por serem descritas e conhecidas.

As plantas pensam?

O Cientista Daniel Chamovitz, Americano radicado em Israel, especialista em genética das plantas, desvenda o seu mundo surpreendente e descobre que elas podem ver, sentir, cheirar e lembrar.

Qual o nível de consciência das plantas?

Esta é a questão central por trás de seu novo livro fascinante,O que uma planta conhece, de Daniel Chamovitz, diretor do Centro Manna de Biociências de plantas na Universidade de Tel Aviv. A planta, ele argumenta, pode ver, cheirar e sentir.

Pode montar uma defesa quando em estado de sítio, e alertar seus vizinhos de problemas no caminho. Uma planta pode até mesmo ser dito que tenha uma memória.

Mimosa pudica


CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1272312

Mimosa pudica
Este nome é devido à forma como os folíolos das folhas se juntam quando ela é tocada ou exposta ao calor (sismonastia).

Essa sensibilidade e movimento das folhas da planta também ocorrem em outras espécies dentro da família das ervilhas, tal como a Neptunia, ou em outras famílias, como o gênero Biophytum na família Oxalidaceae
Essa característica de fechar as folhas é uma defesa da planta, principalmente contra grilos e outros insetos herbívoros, que ao pularem sobre uma folha, veem ela sumir rapidamente e ficam sem o alimento, mas em pouco tempo a folha volta ao normal.


Mas isso significa que as plantas podem pensar - ou que se pode falar de uma neurociência da flor? Em entrevista com o editor Matters Gareth Cook ele conta um pouco de sua trajetória e de suas descobertas:

Meu interesse em os paralelos entre plantas e sentidos humanos tem seu início quando eu era jovem no laboratório de Xing-Wang Deng na Universidade de Yale em meados de 1990.

Estava interessado em estudar um processo biológico que seria específico para as plantas, e não seria ligado à biologia humana (provavelmente como uma resposta aos seis outros doutores em minha família, todos os quais são médicos). Então, eu fui atraído para a questão de como as plantas respondiam à luz para regular o seu desenvolvimento.

Já é conhecido há décadas que as plantas usam a luz não só para a fotossíntese, mas também como um sinal que muda a forma como as elas crescem.

Na minha pesquisa eu descobri um grupo único de genes necessários para uma planta para determinar se ela está na luz ou no escuro. Quando divulgamos os nossos resultados, verificou-se que esses genes eram exclusivos para o reino vegetal, o que se encaixou bem com o meu desejo de evitar qualquer relação com a biologia humana.

Mas, para minha surpresa, e contra todos os meus planos, eu descobri mais tarde que este mesmo grupo de genes é também parte do DNA humano.

Isto levou à pergunta óbvia sobre o que esses genes aparentemente específicos das plantas fazem nas pessoas. Agora sabemos que esses mesmos genes são importantes em animais para o momento da divisão celular, o crescimento axonal de neurônios, e o bom funcionamento do sistema imunológico.

Mas o mais surpreendente, estes genes também regulam as respostas à luz em animais! Enquanto não mudarmos a nossa forma em resposta à luz, como as plantas fazem, somos afetados por laboratório no nível do nosso relógio interno.

Isso me levou a perceber que a diferença genética entre plantas e animais não é tão significativa quanto eu tinha acreditado uma vez ingenuamente.

N.lovii


Por JeremiahsCPs - Trabalho próprio pelo carregador, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3439111

A planta (N.lowii ) que é típica da ilha de Bornéu é a única do mundo que recolhe dejetos de animais e recicla, transformando-os em uma substância açucarada, consumida pelo Tupaia Montana e outros animais.
Planta que recolhe dejetos de animais e recicla

As pessoas têm que perceber que as plantas são organismos complexos que vivem vidas sexuais. que toda a biologia da planta é oriunda da constrição evolutiva do enraizamento que as mantem imóveis, podemos começar a apreciar a biologia muito sofisticada acontecendo em folhas e flores.

Se você pensar sobre isso, enraizamento é um enorme constrangimento evolutivo. Isso significa que as plantas não podem escapar de um ambiente ruim, não é possível migrar em busca de alimento ou um companheiro.

Assim, as plantas tiveram que desenvolver mecanismos sensoriais incrivelmente sensíveis e complexos que lhes permitissem sobreviver em ambientes em constante mudança. As plantas são imóveis.

Elas precisam ver onde a comida está. Elas precisam sentir o clima, e elas precisam sentir o cheiro de perigo. Precisam integrar toda esta informação muito dinâmica e mutável. Só porque nós não vemos plantas em movimento não significa que não há um mundo muito rico e dinâmico acontecendo dentro da planta.

As plantas têm um sentido de olfato, de cheiro

O exemplo mais claro em plantas é o que acontece durante a maturação do fruto. Se você colocar uma fruta madura e uma fruta verde juntas no mesmo saco, a imatura vai amadurecer mais rápido.

Isso acontece porque o maduro libera um feromônio de amadurecimento para o ar, e o fruto verde vai cheirá-lo e, em seguida, começa o amadurecimento.

Isto acontece não só nas nossas cozinhas, mas também, ou mesmo principalmente, na natureza. Quando uma fruta começa a amadurecer, ela libera esse hormônio que é chamado de etileno, que é detectada por frutos vizinhos, até árvores inteiras e bosques amadurecem mais ou menos em sincronia.

Ouvir

Quanto a ouvir, a é um pouco mais complicado provar. Muitos de nós já ouvimos histórias sobre plantas florescentes em salas com música clássica. Normalmente, porém, grande parte da pesquisa sobre música e plantas era não fundamentada no método científico.

Não surpreendentemente, na maioria desses estudos, as plantas prosperaram com a música.

De uma perspectiva evolucionária, também poderia ser que as plantas não têm realmente necessidade de ouvir. A vantagem evolutiva criada a partir da audição em humanos e outros animais serve para nos alertar sobre situações potencialmente perigosas.

Mas as plantas estão enraizadas, organismos sésseis. Enquanto elas podem crescer em direção ao sol, e dobrar com a gravidade, elas não podem fugir. Elas não podem escapar. Elas não migram com as estações. Como tal, talvez os sinais sonoros que estamos acostumados em nosso mundo são irrelevantes para uma planta.

Impatiens


By I, KENPEI, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2533300

Impatiens, nativa da África, já se espalhou por 3 continentes.

Próximo capítulo:
Você vai ver: Existe comunicação entre as plantas?
As plantas têm memória?
Elas pensam?
Há uma analogia entre as plantas e o cérebro humano?

Leia também:

Do sexo das plantas ao fruto

As Árvores que choram

Plantas Interessantes: Fibonacci spiral, Proporção Divina

A enorme árvore que não é árvore, conheça

Conhece a palmeira que anda? Socratea exorrihiza

Plantas que cantam para atrair polinizadores

Orquestra de Londres faz concerto para plantas - vídeo




Compartilhar:



e-Book gratuito: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar

  


7 Visões
Mostre seus produtos para o público certo!


Cadastre-se Grátis
Conversar no Whatsapp
X

Receber alertas das publicações do site


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!