Quer aparecer aqui?  Veja Como


Ano
Pesquisar

Qual é o segredo das plantas carnívoras?

Autor: Regina Motta - Data: 27/03/2017
RSS

Elas são muito interessantes e já fizeram parte até mesmo de roteiros de filmes de terror, mas a verdade é que as plantas carnívoras não são tão abomináveis assim. Elas não comem pessoas e somente algumas poucas espécies maiores incluem no cardápio, além dos insetos, rás e pássaros.

As plantas carnívoras são espécies de vegetais que capturam, matam e digerem insetos ou outros pequenos animais, devido à presença de enzimas digestivas que extraem compostos nitrogenados e assim como fonte de nutrientes, dependem do nitrogênio presente nas proteínas dos animais.

Agora, se você está se perguntando o que acontece com a carne capturadas pelas plantas carnívoras, fique sabendo que o processo digestivo delas é muito mais sofisticado que qualquer um poderia imaginar.

A própria armadilha das plantas carnívoras, que captura os insetos, funcionam como estômago. Dessa forma, a digestão já começa na captura, durante a luta do inseto para se livrar, o que estimula a produção das enzimas digestivas. Há ainda as plantas que contam com a ajuda de micro-organismos para sintetizar os nutrientes da presa, processo que pode levar até 12 horas.

Estas espécies de plantas vivem em solos pobres e encharcados (como brejos), com pouca quantidade de nitratos que são fundamentais para síntese de clorofila.

A falta de nutrientes, principalmente do nitrogênio é um fator crítico que limita o crescimento das plantas e as carnívoras se adaptaram e desenvolveram métodos para digerir animais e utilizarem suas proteínas ricas em nitrogênio. Acredita-se que as primeiras plantas carnívoras surgiram há cerca de 65 milhões de anos, na época dos dinossauros.

Existe mais de 500 espécies de plantas carnívoras distribuídas no mundo todo com exceção da Antártida. São encontradas em diversas regiões desde áreas quentes e florestas tropicais úmidas, e até mesmo nas tundras gélidas da Sibéria.

No Brasil há mais de 80 espécies diferentes, sendo considerado o segundo país do mundo a possuir mais espécies destes vegetais, perdendo somente para a Austrália.

As plantas carnívoras utilizam-se de várias armadilhas para atraírem e capturarem suas presas como:

Armadilhas "Jaula"


As folhas das plantas carnívoras que possuem este tipo de armadilha estão divididas em duas partes, similar a uma boca, com gatilhos no interior. Este gatilho ao ser tocado pelo animal aciona um mecanismo que imediatamente fecha as metades da folha, sendo abertas somente após a digestão do animal.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam estas enzimas proteolíticas são inofensivas à pele humana e aos animais de médio e grande porte. Esse tipo de armadilha é encontrada na Dionéia (Dionaea) que se alimenta principalmente de aranhas, moscas, largatas, grilos, lesmas, entre outros.

 Dionaea
Dionaea

As dionéias conseguem diferenciar insetos e dentritos não comestíveis que possam cair em sua armadilha através dos pêlos sensitivos. Objetos inanimados como pedras e galhos quando caem nas folhas abertas das dionéias não se movimentam, portanto, não dispararão os pelos sensitivos das plantas. O animal capturado é ingerido pelas glândulas digestivas da folha durante 5 a 15 dias.

Dionaea

Armadilhas de "sucção"

Este tipo de armadilha é encontrado em todas as espécies de Utricularia, que vivem submersas em água doce ou brejos. Possuem utrículos que se assemelham a pequenas bolsas, contendo uma minúscula entrada cercada por gatilhos, e ao serem estimulados provocam a abertura dessa entrada. Quando a entrada é aberta, é sugado para dentro tudo que estiver ao redor incluindo à presa que estimulou o gatilho.

Nepenthes
Nepenthes

Nepenthes Rajah
Nepenthes rajah


Ascídios

Ascídios são folhas inchadas e ocas, altamente especializadas, similares a jarras, com uma entrada no topo e em seu interior contém um líquido digestivo.

São encontradas em Cephalotus, Darlingtonia, Heliamphora, Nepenthes, Sarracenia, entre outros. Pequenos invertebrados e até mesmo minúsculos vertebrados são capturados por este tipo de planta. Ao caírem no líquido digestivo destas plantas as presas se afogam e são digeridas. As plantas Darlingtonia são popularmente conhecidas como planta-jarra.

Darlingtonia
Darlingtonia californica

Armadilhas "folhas colantes"

Este tipo de armadilha em relação às outras existentes é a mais simples. São glândulas colantes espalhadas nas folhas e podem estar presentes até mesmo na planta toda. Em plantas como Byblis, Drosera, Drosophyllum, Ibicella e Triphyophyllum é encontrada este tipo de armadilha que capturam geralmente pequenos insetos voadores.

Drosera spatulata
Drosera spatulata

Drosophylum lusitanicum
Drosophylum lusitanicum

O mais interessante, no entanto, é que a carne não é a maior fonte de energia dessas plantas. Ela serve apenas como complemento nutricional à fotossíntese, já que essa espécie de plantas costuma nascer em solos ácidos e pobres. Sendo assim, logo quando a planta retira nitratos e fosfatos da presa, as plantas carnívoras eliminam o que não foi digerido.

Você gostará também:

Plantas que atraem beija-flores para seu jardim !

Árvore Sagrada do Sertão: Árvore que dá de beber

Principais espécies de Bromélias - Final

Plantas ornamentais: Medinila, a Magnífica

O valor de um jardim


Compartilhar:



e-Book gratuito: Como se destacar no mercado de paisagismo

Login Requerido

Fazer Login para comentar



Manual de orçamentos e projetos de consultoria -  Alvarenga Neto
7 Visões
Conheça os melhores softwares para paisagismo e irrigação
Destaque-se no mercado de paisagismo


Cadastre-se Grátis